Sala de Imprensa e Mídia Blog da GLEIF

Notícias sobre Identificador de Entidade Jurídica (LEI): Atualização de maio de 2017

A Global Legal Entity Identifier Foundation apresenta uma visão geral dos últimos desenvolvimentos globais pertinentes à adoção do Identificador de Entidade Jurídica


Autor: Stephan Wolf

  • Data: 2017-05-19
  • Visualizações:

motif-people-5-750x250

Em fevereiro de 2017, a Data Management Review (Revisão de Gerenciamento de Dados) reiterou em seu blog intitulado "Driving Business Value Out of the Legal Entity Identifier" (Como Gerar Valores Comerciais fora do Identificador de Entidade Legal), os seguintes pontos de vista que também foram articulados durante seu webinar relacionado: "O Identificador de Entidade Legal (LEI) é útil como um identificador de entidade único, inequívoco e persistente, mas quando integrado com outros conjuntos de dados, como títulos, pode oferecer benefícios operacionais e comerciais". Uma pesquisa de audiência perguntando o que as organizações de benefícios esperam ganhar com a integração do LEI com outros conjuntos de dados "mostrou uma expectativa de benefícios operacionais e comerciais significativos".

Ao discutir os resultados da integração, um participante do webinar notou o potencial para aumentar a precisão da agregação de dados de risco para gerenciamento de risco; apoiar o aprimoramento da due diligence para o 'conhecer o cliente' (KYC), integração do cliente e combate à lavagem de dinheiro; e depois fornecer informações de marketing estratégico sobre quais entidades estão gerando receita. Também foi apontado que "ao vincular o LEI aos títulos, pode ser vista uma imagem limpa da estrutura de capital de uma entidade". Seria "fundamental que as organizações que criam modelos de dados incluam LEIs. Não se trata de cobertura, mas adoção do LEI para casos de uso baseados em valor".

A Global Legal Entity Identifier Foundation (GLEIF) concorda plenamente que a adoção ampla do LEI permitirá à comunidade empresarial em geral cortar custos, simplificar e acelerar operações e ainda obter uma visão mais profunda sobre o mercado global. Os potenciais benefícios a serem gerados com a disponibilidade de dados LEI abertos, padronizados e de alta qualidade poderiam crescer em linha com a taxa de adoção do LEI. Então, nossa mensagem para empresas de todo o mundo é esta: Obtenha um LEI e faça que funcione para você.

Para tornar mais fácil para as partes interessadas seguir os desenvolvimentos globais relevantes para o lançamento da LEI, fornecemos atualizações relacionadas através do Blog do GLEIF. Esta postagem de blog resume as notícias sobre LEI rastreadas desde o início de 2017.

Os "links associados" abaixo contêm as fontes citadas no blog.

África: Requisitos de relatórios centrais propostos para derivativos de balcão que devem ser aplicados na África do Sul

Em abril de 2017, a Insurance Gateway informou que o Registrador de Serviços de Valores na África do Sul publicou um novo projeto de Aviso de Notificação de Obrigações de Relatórios Comerciais para uma segunda etapa de consulta pública. Para transformar o espaço de derivados de balcão (OTC), é importante estabelecer uma estrutura de relatório harmonizada. Isto "proporcionará aos reguladores a base para executarem seus mandatos, tendo uma visão abrangente para monitorar riscos nos mercados de derivativos OTC. Por conseguinte, os Reguladores da África do Sul estão empenhados em cumprir estes objetivos". Através de um grupo de trabalho que inclui representantes do Banco de Reserva da África do Sul, do Conselho de Serviços Financeiros e do Tesouro Nacional, foram feitas propostas de requisitos para implementar o quadro central de relatórios. "O aviso de obrigações comerciais foi publicado pela primeira vez para consulta pública em julho de 2015 e comentários foram recebidos, mas não publicados durante o processo consultivo em julho de 2016". O segundo esboço especifica e define, entre outras coisas, os campos de informações e dados relatáveis, o que inclui o uso de LEIs, Identificador Único de Transação (UTI) e Identificador Único de Produto (UPI) que são essenciais para harmonizar os requisitos de relatórios. A fim de acelerar a implementação das obrigações de relatórios comerciais, "este será alcançado de acordo com os prazos propostos no Memorando explicativo publicado em julho de 2016, que propõe a segunda metade de 2017 para a implementação".

Ásia: Financial Markets Committee e Bank Negara Malaysia lançam a segunda série de iniciativas para desenvolver o mercado financeiro onshore

Em abril de 2017, a Public Now emitiu uma declaração do Financial Markets Committee (FMC), que descreve que o FMC junto com o Bank Negara Malaysia (BNM) "acompanharam ativamente e revisaram o desenvolvimento do mercado financeiro onshore com o objetivo de ampliar ainda mais e aprofundar os mercados. O FMC tem o prazer de anunciar uma série de iniciativas que promovam um mercado financeiro justo e efetivo, melhora a liquidez do mercado de títulos, facilita as atividades de hedge, além de aumentar a transparência e a informação do mercado". Para apoiar estas iniciativas, o "relatório de informação e a infraestrutura de liquidação será reforçada para maior transparência e para facilitar a vigilância no mercado financeiro onshore". Isso implica a criação de uma organização emissora LEI - também referida como Unidade Operacional Local (LOU) - para "adotar e gerenciar o LEI". Além disso, o sistema de relatórios aplicável será reforçado para integrar o LEI e facilitar uma melhor vigilância sob um ambiente de mercado financeiro mais liberalizado". As iniciativas descritas na declaração do FMC estavam programadas para entrar em vigor em 2 de maio de 2017, enquanto "o aprimoramento da iniciativa de infraestrutura do mercado financeiro será implementado gradualmente e deverá ser concluído ao longo de um período de 12 a 18 meses".

União Europeia: O Banco Central Europeu propõe a construção de uma infraestrutura que permitirá às organizações automatizarem a entrega de mais dados, mais rapidamente e a um custo mais baixo

Na publicação do blog intitulada "A Próxima Fronteira nas Respostas do Gerenciamento de Dados ao Regulamento" (The Next Frontier in Data Management Responses to Regulation) (março de 2017), a Revisão de Gerenciamento de Dados citou Francis Gross, consultor sênior da diretoria de estatísticas gerais do Banco Central Europeu (BCE). Ele observou que os "reguladores estão construindo sistemas de dados cada vez maiores e alimentando-os com dados mais granulares em tempo quase real. As razões para isso são lições aprendidas com a crise financeira de 2008, quando os dados não puderam ser agregados com rapidez suficiente para apresentar uma visão clara do risco". Gross acrescentou: "Precisamos ver os reguladores mais corajosos e líderes em áreas como padronizar a representação digital de entidades. Os contratos também precisam progredir. À medida que os requisitos de relatórios aumentam, a única maneira de reduzir a carga para a indústria é construir infraestrutura que permita às organizações automatizarem a entrega de mais dados, mais rápido e com menor custo. O LEI, concluiu, "suporta isso fornecendo um identificador de entidade padrão. Precisamos fazer o mesmo com os contratos, então mobilizar a legislação e reduzir o custo da conformidade regulatória a um mínimo".

Benoît Cœuré, Membro do Conselho Executivo do BCE, comentou no terceiro workshop sobre "Definindo Padrões Globais para Dados Granulares: Compartilhando o Desafio "(28 de março de 2017) de que "as jurisdições que hospedam as maiores ações de derivativos já exigem que todas as contrapartes de transações com derivativos relatáveis​tenham LEIs". Também ressaltou que, embora "melhorando a riqueza do LEI", incluindo, por exemplo, dados de relacionamento sobre quem possui quem, seria importante, "é ainda mais importante patrocinar um uso mais generalizado da LEI entre as jurisdições". A este respeito, a União Europeia (UE) "está dando um bom exemplo, representando cerca de 60 por cento dos LEIs emitidos até agora, com vários regulamentos referenciando o LEI e estipulando seu uso. Outras jurisdições também devem fazer mais uso do LEI, possivelmente através da adoção obrigatória em novas regulamentações".

Estados Unidos: O Escritório de Pesquisa Financeira reitera importância da adoção ampla do LEI

O Escritório de Pesquisas Financeiras dos Estados Unidos (OFR) do Departamento do Tesouro dos Estados Unidos fez várias publicações nos primeiros meses de 2017, destacando a importância da adoção ampla do LEI com vistas a padronizar a geração de relatórios e a coleta de dados financeiros:

  • Promoção de Maior Qualidade e Menor Custo nos Relatórios de Regulamentação Financeira (janeiro de 2017): "Os dados são a força vital das finanças e o volume de dados financeiros é surpreendente. Em um dia de rotina, cerca de US$ 15 trilhões em pagamentos liquidam em todo o mundo, de acordo com um relatório de 2016 que o pessoal do OFR ajudou a preparar. As empresas dependem de dados para confirmar transações e gerenciar riscos. Os reguladores precisam de dados para supervisionar as empresas e os mercados. Dados de alta qualidade são essenciais para ambos. Mas a coleta de dados nem sempre é suave ou eficiente. O sistema regulador norte-americano está fragmentado, por isso, em alguns casos, as empresas devem relatar as mesmas informações a diferentes reguladores de diferentes maneiras. Esse relatório ineficiente pode ser oneroso e minar a qualidade. (...) O OFR faz parte de vários esforços de normalização. (...) Apesar da convergência para um padrão de identificação - o LEI - reguladores atualmente requerem outros identificadores. (...) Esta redundância e custo extra é por que os grupos da indústria têm chamado as autoridades a adotar universalmente o LEI".

  • Lições da Crise Financeira - Oito Anos Depois (janeiro de 2017): "O colapso de 2008 do Lehman Brothers provou a importância da qualidade dos dados. Quando Lehman falhou, muitos participantes do mercado não perceberam que estavam expostos ao Lehman através de suas subsidiárias. Após a falha de Lehman, a indústria clamou por um sistema para identificar com precisão partes de transações financeiras. O OFR entregue por liderar um esforço global para desenvolver e construir o sistema LEI. (...) O OFR está ajudando a completar a rede, promovendo seu uso entre os reguladores financeiros e pressionando por uma adoção mais ampla. Um benefício chave da identificação precisa da entidade, como a dos instrumentos financeiros, é coletar dados uma vez para múltiplos usos, reduzindo ainda mais a carga de relatórios regulatórios".

  • Observações do Diretor da OFR, Richard Berner, na Conferência sobre o Poder da Transparência organizada pelo Conselho Atlântico e Thomson Reuters (janeiro de 2017): "Exigir que as empresas financeiras relatem suas atividades cria transparência que promove a descoberta de preços e mercados eficientes. (...) Agora temos uma solução: O sistema global do Identificador de Entidade Legal, ou LEI, é (...) uma pedra angular para os padrões de dados financeiros. (...) Um meio milhão de LEIs já estão em uso, mas é necessário um progresso maior para a adoção universal e os benefícios completos que esperamos que decorram. (...) As autoridades da Europa exigiram isso, mas nossos colegas reguladores dos EUA foram mais lentos para responder. Eles precisam intensificar e fazer mais".

  • Quebrando Barreiras Impedindo Padrões de Dados Financeiros (fevereiro de 2017): "Os custos estimados para a indústria de gerenciamento de dados sem padrões comuns corre para os bilhões de dólares. (...) À medida que o sistema LEI cresce, os incentivos também aumentarão para que a indústria faça o investimento necessário para incorporar o LEI e mapeie o sistema LEI para seus próprios sistemas internos de identificação de dados".

  • Ação coletiva: Rumo à resolução de um problema Vexing para construir uma infra-estrutura global para informações financeiras (fevereiro de 2017): Neste artigo publicado pelo OFR, ex-presidente do Comité de Supervisão Regulamentar do LEI (LEI ROC), Matthew Reed e ex-vice-presidentes do LEI ROC, Bertrand Couillault e Jun Mizuguchi afirmam: "A experiência do LEI não é uma solução para todos os problemas, mas demonstra a necessidade de ação coletiva e a necessidade de se concentrar na infraestrutura frequentemente ignorada dos mercados financeiros, que só se tornará cada vez mais integrada. (...) Além disso, alguns regulamentos esperados que exigiriam a adoção do LEI não se materializaram. Devemos superar esses desafios para melhorar a probabilidade de um efeito de rede se concretizar para tornar o LEI verdadeiramente onipresente".

  • Uma Abordagem dos dados de referência dos instrumentos financeiros (março de 2017): "Os dados que descrevem os instrumentos financeiros são frequentemente complexos, incompletos e incompatíveis. Essas debilidades impedem as empresas e os investidores de administrar seus riscos e reguladores na supervisão das empresas financeiras, dos mercados e do sistema financeiro como um todo. (...) Tal como acontece com o projeto LEI da do elo da OFR, o sucesso da iniciativa de base de dados de referência dos instrumentos financeiros do OFR dependerá da adoção e implementação de padrões de dados e do uso de dados de referência por parte das partes interessadas. (...) As lições aprendidas com a criação do LEI sublinharam a necessidade de um apoio de alto nível e de uma estreita colaboração entre os sectores público e privado".

Comissão de Negociação de Futuros de Mercadorias dos Estados Unidos: "As renovações do LEI podem ser aplicadas no futuro"

A GLEIF comentou regularmente a importância da renovação pontual dos LEIs. A renovação significa que os dados de referência, ou seja, as informações publicamente disponíveis sobre entidades jurídicas identificáveis com um LEI, são revalidados anualmente pelo emitente LEI gerente face a uma fonte de terceiros. Se uma entidade jurídica falhar em renovar e re-certificar o seu registro do LEI até a “Data da Próxima Renovação” indicada juntamente com os dados de referência do LEI, então o estado do registro deste LEI será definido e alterado de “emitido” para “caducado”. 

Em janeiro de 2017, a Lexology informou que a Comissão de Negociação de Futuros de Mercadorias dos Estados Unidos (CFTC) "continua a priorizar a execução de violações de relatórios. No ano fiscal de 2016, a CFTC emitiu mais que o dobro do número de ordens de execução para denunciar violações que no ano fiscal anterior. Uma série dessas violações envolveu novos requisitos de relatórios sob Dodd-Frank". As partes responsáveis​pelo relatório devem ter o cuidado de garantir a precisão dos LEIs em seus relatórios para trocar os repositórios de dados", inclusive no contexto internacional em que as leis de privacidade e outras considerações podem entrar em jogo. Deve-se tomar cuidado para garantir que cada LEI não seja caducado, aposentado ou cancelado. As renovações do LEI podem ser aplicadas no futuro".

Impacto global: XBRL International lançou uma nova taxonomia do LEI para comentar

Em junho de 2016, o Conselho de Melhores Práticas do XBRL International, em cooperação com o GLEIF, formou um grupo de trabalho para examinar e fazer recomendações sobre as melhores maneiras de criar consistência no referenciamento da identidade jurídica nos documentos XBRL. A XBRL é a norma internacional para relatórios digitais de informações financeiras, de desempenho, de riscos e conformidade, embora também seja usada para vários outros tipos de relatórios. As especificações XBRL abertas estão livremente licenciadas para qualquer um que deseje usar o padrão. XBRL permite a criação de definições reutilizáveis e autoritativas, as chamadas taxonomias, que capturam o significado contido em todos os termos de relatório usados em relatórios comerciais assim como as relações entre todos os termos.

Em maio de 2017, a XBRL International publicou uma nova taxonomia LEI para que as partes interessadas possam experimentar e enviar comentários. A taxonomia LEI pretende fornecer uma forma única e consistente para os reguladores (e empresas) utilizarem as LEI nos relatórios XBRL. Uma vez finalizada, esta taxonomia pretende ser incorporada aos requisitos de relatórios publicados pelos reguladores e setores de padrões". A taxonomia contém uma fórmula embutida XBRL para assegurar que o LEI que está sendo enviado atenda aos requisitos estabelecidos pelo GLEIF. Comentários sobre a nova taxonomia, bem como sugestões para o desenvolvimento de orientações relevantes e consistentes para seu uso são bem-vindos e podem ser fornecidos ao Grupo de Trabalho de Identidade Legal no XBRL por e-mail (ver link para o artigo intitulado "Um passo mais próximo da certeza no mundo em Identidade Global" abaixo para mais informações).

Impacto global: O GLEIF impulsiona as empresas e seus clientes a obter um LEI o mais rápido possível na prontidão para MiFID II/MiFIR

O GLEIF prosseguiu os seus esforços para alertar aos participantes do mercado que sejam obrigados ao cumprimento das disposições na reformulada Diretiva da União Europeia (UE) relativa aos mercados de instrumentos financeiros (MiFID II) e Regulação (MiFIR) que obtenham um LEI o mais rapidamente possível. O incumprimento em obter um LEI (quer pela empresa quer por seu cliente) em seu tempo irá impedir as empresas de agirem em conformidade com os relatórios aplicáveis na UE a partir de 3 janeiro de 2018. Para simplificar a emissão de LEI, a GLEIF introduziu o conceito de "Agente de Registro", que permite às organizações ajudarem os respetivos clientes a acederem à rede de organizações emitentes de LEI.

A MiFID II e a MiFIR, que cobrem plataformas de negociação, empresas de investimento e intermediários, terão efeito a partir de 3 de janeiro de 2018. Os atos legislativos que implementam a MiFID II/MiFIR requerem um significativo conjunto de intervenientes para obter um LEI que não estão sob qualquer obrigação até a data. Relativamente ao reporte de transações nos termos da MiFIR, a Autoridade Europeia dos Valores Mobiliários e dos Mercados (ESMA) esclareceu que as sociedades de investimento devem obter LEIs dos seus clientes antes de prestarem serviços que implicariam obrigações de reporte relativamente a transações realizadas em nome desses clientes.

As organizações emissoras de LEIs estão prontas para assessorar entidades jurídicas a obter um LEI, assim como para colaborar com empresas interessadas em atuar como Agente de Registro. Contudo, não podemos garantir que LEIs serão emitidos na altura de a MiFID II/MiFIR se aplicar se o registro estiver atrasado até o próximo trimestre de 2017.

Para obter mais informações, incluindo o papel de um agente de registro, consulte o comunicado de imprensa do GLEIF de 6 de abril de 2017 incluído nos "links relacionados" abaixo.

Blog da GLEIF e Fórum de Discussão

Caso queira comentar uma postagem no blog, visite o blog em inglês. Identifique-se usando seu nome e sobrenome. Seu nome aparecerá ao lado de seu comentário. Endereços de e-mail não serão publicados. Note que ao acessar ou contribuir com o fórum de discussão, você concorda com os termos da Política de Uso do Blog da GLEIF, portanto, leia-a com atenção.



Ler todas as postagens anteriores do Blog da GLEIF
Sobre o autor:

Stephan Wolf é o CEO da Global Legal Entity Identifier Foundation (GLEIF). Desde janeiro de 2017, Wolf é Co-Orientador do Grupo Técnico Consultivo FinTech 68 da Organização Internacional para o Comitê Técnico de Normalização (ISO TC 68 FinTech TAG). Em janeiro de 2017, Wolf foi considerado um dos 100 Maiores Líderes em Identidade pela One World Identity. Ele tem uma vasta experiência em estabelecer operações de dados e estratégia de implementação global. Liderou o avanço das principais estratégias de negócios e desenvolvimento de produtos ao longo de sua carreira. Wolf foi cofundador da empresa IS Innovative Software GmbH, em 1989, sendo seu primeiro administrador executivo. Posteriormente, foi nomeado porta-voz do conselho executivo de sua sucessora, a IS.Teledata AG. Esta empresa se tornou parte da Interactive Data Corporation onde o Sr. Wolf era Diretor de Tecnologia.


Tags para este artigo:
Gestão de Dados, Notícias do LEI, Derivativos de Balcão (OTC), Exigências da Política, Normas, Regulamento, Conformidade, MiFID II / MiFIR