Sala de Imprensa e Mídia Blog da GLEIF

A GLEIF identifica que mais da metade dos vendedores no setor bancário gasta 27% de sua semana de trabalho ao integrar novas organizações de clientes

A GLEIF publica novos resultados de pesquisa sobre os desafios da identificação de entidades em serviços financeiros e propõe um caminho padronizado


Autor: Stephan Wolf

  • Data: 2018-05-09
  • Visualizações:

gleif_blog_motif_people_6-750x250

A Global Legal Entity Identifier Foundation (GLEIF) realizou recentemente uma pesquisa com a agência de pesquisa especializada Loudhouse para identificar os principais desafios da identificação de entidades jurídicas em serviços financeiros. A pesquisa, que entrevistou mais de 100 vendedores seniores do setor bancário no Reino Unido, EUA e Alemanha, descobriu que seis entre dez (57%) entrevistados gastam mais de 1,5 dias da semana (27% da semana útil) integrando novas organizações de clientes. Além disso, 50% das instituições financeiras usam, em média, quatro identificadores para ajudar a identificar as organizações de clientes e o processo leva, em média, seis semanas. Esse tempo gasto na integração cria um fardo significativo, pois os vendedores têm menos tempo para trabalhar em seus principais focos, como a aquisição de novos negócios e a manutenção de clientes existentes.

As conclusões formam a base para um novo relatório de pesquisa da GLEIF intitulado "Um novo futuro para a identificação de Entidades Jurídicas" (A New Future for Legal Entity Identification), no qual a GLEIF destaca sua visão de que a substituição de informações desarticuladas por uma abordagem globalmente aceita baseada na ampla adoção do Identificador de Entidade Jurídica (LEI) removeria a complexidade das transações comerciais e entregaria valor quantificável às empresas de serviços financeiros.

O relatório, bem como um documento separado detalhando os resultados da pesquisa, estão disponíveis para download no site da GLEIF (veja os links relacionados abaixo).

lei-video-750x422

O ônus da integração

No geral, os resultados da pesquisa mostram que o processo de integração de novas relações comerciais, incluindo a due diligence do cliente (KYC), demanda muito tempo e exige muita administração.

Outras descobertas importantes incluem:

  • 57% dos entrevistados concordam que a confiabilidade dos dados de referência é um desafio
  • 55% dos entrevistados concordam que o recurso da integração é um desafio
  • 55% dos entrevistados concordam que processos demorados significam risco de perda de negócios
  • 61% dos entrevistados concordam que a tecnologia digital irá complicar ainda mais o processo

Em uma economia digital globalizada, a verificação da identidade de clientes, parceiros e fornecedores está se tornando um desafio cada vez mais complexo e dispendioso. No entanto, o crescimento de identificadores está levando a problemas que precisam ser resolvidos para assegurar seu lugar vital na lubrificação das engrenagens da crescente economia digital global.

A pesquisa identificou que o ponto crucial do problema é a falta de uma abordagem padronizada para a verificação de entidade legal. Como resultado, 54% dos entrevistados concordam que o uso de diferentes identificadores jurídicos para a mesma entidade jurídica leva a inconsistências com atualizações de conjuntos de dados de referência diferentes. A pesquisa constatou que 58% dos entrevistados disseram que os dados de referência associados não estão atualizados, enquanto 46% disseram que os dados de referência de diferentes fontes são inconsistentes, e 49% disseram que o mesmo ID é usado para diferentes entidades jurídicas. No geral, apenas dois terços das instituições financeiras acreditam que possuem informações precisas sobre o cliente.

O fardo também continua mesmo depois que o cliente é estabelecido. Os dados do cliente devem ser mantidos atualizados durante todo o relacionamento comercial. Isso inclui a verificação regular de informações de cartão de visita e alterações na estrutura de propriedade. Os identificadores de entidades jurídicas são facilmente obtidos de uma série de diferentes emissores, mas não são mantidos atualizados de maneira sistemática. As organizações precisam de um sistema mais eficiente para identificação de entidade jurídica. Alguns acreditam que a tecnologia ajudará, mas não há consenso geral sobre qual deve ser a solução (fique de olho no nosso blog para saber mais sobre o papel da tecnologia digital).

O caminho a seguir

Na GLEIF, estamos convencidos de que as empresas de serviços financeiros podem economizar tempo, ganhar maior transparência e trabalhar de forma mais simplificada, adotando um LEI para cada organização de cliente. Os bancos operam em múltiplas jurisdições e, portanto, precisam de um padrão global. O LEI oferece às empresas uma abordagem única para identificar entidades jurídicas, que tem o potencial de eliminar a complexidade das transações comerciais. Por meio do Global LEI Index, disponibilizamos a maior fonte on-line que fornece dados de referência de entidades jurídicas padronizados, de alta qualidade e abertos. Nenhum outro sistema de identificação de entidade mundial e aberto assumiu o compromisso de um regime estritamente comparável de verificação regular dos dados.

A integração do LEI a outros métodos de verificação de entidades, incluindo soluções baseadas em certificados digitais e tecnologia blockchain, permitirá que qualquer pessoa conecte facilmente todos os registros associados a uma organização e identifique quem controla quem. Ao se tornar o elo comum, o LEI fornecerá certeza de identidade em qualquer interação on-line, facilitando a participação de todos no mercado digital global.

A pesquisa identificou claramente que, sem a adoção de um diretório global de entidades jurídicas publicamente disponível, a integração continuará sendo um processo longo e trabalhoso, capaz de afastar especialistas de serviços e vendas e exigir foco demais na administração.

Para saber mais, nosso relatório de pesquisa detalha as ineficiências do processo de integração de hoje, explica como as questões que cercam a identificação ineficiente de entidades jurídicas podem ter consequências reais nos negócios e explora o impacto das crescentes tecnologias digitais e as potenciais capacidades e benefícios proporcionados pela adoção de método padronizado para identificação de entidades jurídicas.

Blog da GLEIF e Fórum de Discussão

Caso queira comentar uma postagem no blog, visite o blog em inglês. Identifique-se usando seu nome e sobrenome. Seu nome aparecerá ao lado de seu comentário. Endereços de e-mail não serão publicados. Note que ao acessar ou contribuir com o fórum de discussão, você concorda com os termos da Política de Uso do Blog da GLEIF, portanto, leia-a com atenção.



Ler todas as postagens anteriores do Blog da GLEIF
Sobre o autor:

Stephan Wolf é o CEO da Global Legal Entity Identifier Foundation (GLEIF). Desde janeiro de 2017, Wolf é Co-Orientador do Grupo Técnico Consultivo FinTech 68 da Organização Internacional para o Comitê Técnico de Normalização (ISO TC 68 FinTech TAG). Em janeiro de 2017, Wolf foi considerado um dos 100 Maiores Líderes em Identidade pela One World Identity. Ele tem uma vasta experiência em estabelecer operações de dados e estratégia de implementação global. Liderou o avanço das principais estratégias de negócios e desenvolvimento de produtos ao longo de sua carreira. Wolf foi cofundador da empresa IS Innovative Software GmbH, em 1989, sendo seu primeiro administrador executivo. Posteriormente, foi nomeado porta-voz do conselho executivo de sua sucessora, a IS.Teledata AG. Esta empresa se tornou parte da Interactive Data Corporation onde o Sr. Wolf era Diretor de Tecnologia.


Tags para este artigo:
Gestão de Relacionamento com Clientes, Gestão de Dados, Global Legal Entity Identifier Foundation (GLEIF), Global LEI Index, Conhecer seu cliente (KYC), Caso de negócios de LEI, Notícias do LEI, Dados Abertos