Sala de Imprensa e Mídia Blog da GLEIF

Quando o processo cria o potencial: novas oportunidades para bancos na integração de clientes

Ao ajustar seus processos de integração, as instituições financeiras podem aprimorar a experiência do cliente, reduzir custos e abrir caminho para novos serviços internacionais, explica Stephan Wolf, CEO da Global LEI Foundation


Autor: Stephan Wolf

  • Data: 2020-11-05
  • Visualizações:

Não é segredo que a conformidade regulatória nem sempre seja compatível com o desejo de um banco oferecer uma experiência de usuário (UX) simplificada aos seus clientes. O trabalho de integrar um novo cliente corporativo é um caso importante em questão; as averiguações de anti-lavagem de dinheiro (AML) extensiva e conhecer seu cliente (KYC) exigidas por regulamentos como o AML5 normalmente exigem mais idas e vindas do que a instituição financeira (FI) ou o cliente gostariam.

Para a FI, a UX de integração do seu cliente é apenas parte do problema. Para garantir a conformidade, os processos internos tornaram-se necessariamente granulares e demorados, reduzindo a eficiência interna e, como resultado, inflando os custos.

Como entidades jurídicas, os clientes que realizam transações financeiras nos mercados de capitais são obrigados por vários órgãos reguladores em todo o mundo a ter um Identificador de Entidade Jurídica (LEI) para fins de relatório. Ao agir assim, os reguladores podem traçar uma imagem clara de quem está envolvido em seus mercados, permitindo assim uma gestão de riscos mais eficaz. Até este data, as FIs não adotaram amplamente o LEI para melhorar a vigilância de seu portfólio e, a esse respeito, estão um passo atrás dos reguladores na obtenção dos benefícios pela adoção do LEI.

Até o momento, o processo de obtenção de um LEI é mais comumente realizado quando uma entidade é integrada por sua FI e exige que a entidade se relacione diretamente com uma organização emissora de LEI, repetindo assim muitos dos processos de integração que a entidade acabou de realizar. Considerando que, para muitos clientes, a obtenção de um LEI é uma exigência jurídica, essa duplicação do processo pode gerar frustração.

Para permitir que as instituições financeiras superem esses desafios e obtenham uma diversidade de benefícios de custo de integração, eficiência e experiência do cliente, a Global LEI Foundation (GLEIF) criou uma nova função operacional para bancos no processo de emissão de LEI, conhecida como Agente de Validação.

Apresentando o âmbito do Agente de Validação

O âmbito do Agente de Validação capacita os bancos a aproveitarem seus processos de integração de KYC, AML e de outros processos normais de negócios, para obter um LEI para seus clientes durante a integração inicial ou uma atualização de renovação do cliente padrão. Em outras palavras, os bancos que atuam como Agentes de Validação podem se relacionar com o emissor de LEI em nome de seu cliente para "validar" os dados de identidade chave, como o nome legal e as informações de registro de negócios, confirmando que essas verificações e processos já foram realizados.

Experiência aprimorada do cliente e diferenciação de mercado

Um banco no papel de Agente de Validação pode se beneficiar de um processo de emissão de LEI bastante simplificado e econômico para os clientes, resultando em uma experiência do cliente mais rápida e conveniente na gestão de integração e ciclo de vida. A remoção da duplicação de processos também indica menos tempo e investimento em recursos necessários do cliente, o que acaba reduzindo em última análise o tempo para a receita de negociação.

Ao atuar como um Agente de Validação, os bancos também têm oportunidades adicionais de agregar valor ao cliente e atingir a diferenciação de mercado. Eles têm, por exemplo, a chance de ser pioneiros em novos serviços digitais que geram receita em áreas habilitadas pelo LEI - desde gerenciamento de identidade corporativa até a assinatura eletrônica de nível de garantia jurídica com certificados digitais.

Indicando o caminho na gestão de identidade

Embora o âmbito do Agente de Validação atraia inicialmente as IFs que buscam agilizar os processos de conformidade regulatória para seus clientes, o papel é concebido para promover um apelo mais amplo entre os bancos e encorajar a adoção voluntária do LEI fora dos mercados de capitais.

Os agentes de validação podem aproveitar o LEI e eliminar a vinculação manual de dados de entidade de fontes internas e externas discrepantes. A McKinsey estima que apenas isso economizaria de US$ 2 a 4 bilhões para o setor bancário global, melhorando a produtividade dos funcionários em tempo integral na integração dos clientes.

Ao expandir a emissão do LEI para além dos clientes de pessoa jurídica que exigem um LEI para a conformidade financeira, um Agente de Validação é capaz de equipar toda a sua base de clientes comerciais com identidades reconhecidas globalmente, as quais podem ser usadas além das fronteiras com qualquer contraparte ou fornecedor legalmente registrado em todo o mundo.

Dessa maneira, as instituições financeiras podem usar o LEI para solucionar o problema de confiança internacional dos seus clientes em todo o mundo. É o único sistema aberto, padronizado e endossado por regulamentações capaz de estabelecer confiança digitalizada entre todas as entidades jurídicas em todos os lugares. À medida em que a conscientização sobre esses atributos favoráveis aumenta, o papel de Agente de Validação também deve ser assumido por bancos que buscam se tornar líderes reconhecidos na gestão de identidades, posicionando-se como facilitadores do comércio global.

Além disso, se o LEI se tornar mais proeminente e disponível nos relatórios de AML, os reguladores, especificamente através das fronteiras ou jurisdições, estarão mais bem equipados para identificar e rastrear o comportamento financeiro ilícito, o que por sua vez protege as empresas e o público em geral.

Qualquer FI que atenda clientes de pessoa jurídica pode se inscrever para se tornar um Agente de Validação. A GLEIF participa ativamente da comunidade bancária global para dar suporte à fase piloto do âmbito de Agente de Validação e convida as FIs a averiguar sobre a sua participação nesta fase de experiência.

Caso queira comentar uma postagem no blog, identifique-se usando seu nome e sobrenome. Seu nome aparecerá ao lado de seu comentário. Endereços de e-mail não serão publicados. Note que ao acessar ou contribuir com o fórum de discussão, você concorda com os termos da Política de Uso do Blog da GLEIF, portanto, leia-a com atenção.



Ler todas as postagens anteriores do Blog da GLEIF >
Sobre o autor:

Stephan Wolf é o CEO da Global Legal Entity Identifier Foundation (GLEIF). Entre janeiro de 2017 e junho de 2020, Wolf foi cocoordenador do International Organization for Standardization Technical Committee 68 FinTech Technical Advisory Group (ISO TC 68 FinTech TAG). Em janeiro de 2017, Wolf foi considerado um dos 100 Maiores Líderes em Identidade pela One World Identity. Ele tem uma vasta experiência em estabelecer operações de dados e estratégia de implementação global. Liderou o avanço das principais estratégias de negócios e desenvolvimento de produtos ao longo de sua carreira. Wolf foi cofundador da empresa IS Innovative Software GmbH, em 1989, sendo seu primeiro administrador executivo. Posteriormente, foi nomeado porta-voz do conselho executivo de sua sucessora, a IS.Teledata AG. Esta empresa se tornou parte da Interactive Data Corporation onde o Sr. Wolf era Diretor de Tecnologia. Wolf é formado em Administração de Empresas pela Universidade J. W. Goethe, localizada em Frankfurt am Main.


Tags para este artigo:
Gestão de Dados, Identidade Digital, Global Legal Entity Identifier Foundation (GLEIF), Qualidade de Dados, Conformidade, Governança, Regulamento